.comment-link {margin-left:.6em;}

sábado, outubro 15, 2005

Destrinças

Interessante o que por aí vai de discussão sobre a importância de não confundir a liana com a árvore nem esta com a floresta.

Interessante também notar que começa a ficar visível que antes, durante e depois da lei, tal como acima, ao lado e abaixo desta, há algo mais, além da vontade do legislador, que condiciona a sua aplicação, e que é a própria dinâmica da realidade e a impossibilidade de reduzir, no sentido de apagar, acabar, terminar, os conflitos sociais com UM texto neutro, científico, indiscutível - impositivo. Quantas vezes, uma lei anulou outra, porque mudaram as correlações de força...

Ou seja, a produção legislativa, a evolução social, é - sempre foi; sempre será - função de desequilíbrios sistémicos e da procura eterna de reequilíbrios entre os agentes do sistema.

Por vezes, é o próprio sistema que muda de configuração, devido à acção dos seus agentes e à interacção que estabelecem comm a estrutura que os enquadra/limita, mas sobre a qual retroagem.

Por vezes há aporias.

Por vezes há transcendências.

Por vezes há autofagias.

Muitas vezes há ilusões.

Mas o futuro não está escrito.

Claro que ajuda pôr as coisas no seu lugar, dando-lhes a devida importância (passe aqui a existência de uma certa ditadura/intolerância analítica da nossa parte, subjacente a este devida), para que não haja um desgaste gratuito em polémicas de treta, resultantes mais de centralidades existentes num espaço público medíocre, do que de um valor intrínseco.

"gosta mais da coca-cola na garrafa ou na lata?"
"prefere mini-saias com 20 ou 2 centímetros?"
"acha que aquele artigo daquele jornal está bem ou mal escrito?"
"(outras perguntas idiotas)"

Conviria antes reparar que a gestão das expectativas ocupou o centro das prioridades das elites políticas em detrimento da gestão das realidades, no que respeita ao bem/serviço/interesse público.

Aos que se preocupam com detalhes basta ler o diário da ONU; aos mais distraídos, basta lembrar as notícias sobre, por exemplo, os ditos desastres naturais - prevenção, ocorrência, socorro prestado e ajudas à recuperação.

Comments:
Desde que interpretes o poder como o exercício momentâneo dos interesses dessa maioria, não te admirarias tanto!
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Link to ClockLink.com