.comment-link {margin-left:.6em;}

sexta-feira, novembro 17, 2006

Onde páram as elites (94)?

Portugal não estava “à altura” de aderir ao euro em 2002, ao contrário do que se acreditava então, defendeu hoje o economista António Borges, membro da equipa que lançou o projecto da União Económica e Monetária.
(...)

No Público.

Desculpem lá qualquer coisinha, qualquer mau jeito,...

Interessante este aparente volte-face.

É que já na altura havia quem dissesse que o euro era uma opção política, e não económica.

Como hoje continua a ser.

Na altura, o Feldstein argumentava, à semelhança de quase todos os economistas norte-americanos, que o euro ia trazer a guerra entre os membros da união monetária então em construção enquanto o Kohl contra-argumentava que, pelo contrário, o euro ia trazer a paz.

Para o norte-americano o euro ia trazer a sisania, para o alemão ia trazer a estabilidade.

Ok. E agora?

Portugal sai do euro?

Ou já está à altura de cumprir as obrigações que tal pertença pressupõe?

É que Borges declara que estamos num regime diferente, para o qual não estamos claramente preparados do ponto de vista intelectual...

segunda-feira, novembro 13, 2006

Corrupção (45)

Ana Gomes pede "vontade política" para combater corrupção

No Público.

Corrupção (44)

(...)
O combate à corrupção passou a ocupar parte substancial do discurso político. E a quem se interrogue de onde terá partido a ideia, a resposta está em notícias, em sinais exteriores de inexplicável riqueza e também em estatísticas e relatórios. De Janeiro de 2005 ao final de Outubro de 2006, o Ministério Público abriu mais de oito mil inquéritos relativos a indícios de fraudes, corrupção, branqueamento de capitais, crimes fiscais e infracções de tecnologia informática. A média é de 13 inquéritos por dia, incluindo fins-de-semana, feriados e dias santos. No relatório de segurança interna de 2005 há uma referência, com origem nos Serviços de Informações da República, segundo a qual a criminalidade económica e financeira se “consolidou” em Portugal.
(...)

João Paulo Guerra, no DE.

Eça de Queirós

Acabo de saber que a Porto Editora está a disponibilizar Os Maias
em versão electrónica.

Ainda bem.

Obrigado.

domingo, novembro 12, 2006

Onde páram as elites (93)?

(...)
Eu acho que nós estamos cansados. Como portugueses, estamos cansados de viver. Se calhar, a nossa missão histórica acabou.
(...)

José Saramago, no Público.

Corrupção (43)

Graça Machel, viúva do primeiro presidente de Moçambique, denunciou ontem a ascensão do regionalismo e tribalismo no seio da Frelimo e apelou a uma nova estratégia no combate à corrupção

No CM.

Corrupção (42)

(...)
Marques Mendes frisou que "a corrupção mina a economia e a confiança das pessoas nas instituições", tendo por isso que ser travado em Portugal "um combate firme".

Lusa, via RTP
.

sábado, novembro 11, 2006

Mani puliti, sff!!!

Wash hands to curb infections, UN agency tells hospital doctors, health care workers

quarta-feira, novembro 08, 2006

Corrupção (41): Boas notícias!

Cravinho dinamiza 'lobby' anticorrupção
(...)
Para já, as conversas preparatórias para a constituição desta plataforma envolvem não só o próprio Cravinho como também, entre outros, dois magistrados do Ministério Público (Maria José Morgado e Euclides Dâmaso), um empresário (Henrique Neto, também militante do PS) e um académico especialista em corrupção (Luís de Sousa).
(...)

No DN.

Afeganistão: arbitragens

Faced with zero response to its most recent appeal to help 2.5 million drought-stricken Afghans, half of them children, the United Nations Children’s Fund (UNICEF ) issued an urgent appeal today for $3.8 million, warning that lack of water and food will exacerbate the outbreak of disease and malnutrition among the young.

593 mil contos...
593 mil contos...
593 mil contos...

Valente comunidade internacional.

Darfur: Valente comunidade internacional

Militia are continuing to attack civilians, burn houses and destroy crops every day in Sudan’s conflict-ridden Darfur region, while targeting non-governmental workers trying to assist an estimated 2 million people displaced by the violence, a UN spokesman warned.

terça-feira, novembro 07, 2006

Corrupção (40)

2006 Corruption Perceptions Index (...) shows the machinery of corruption remains well-oiled, despite improved legislation.

Portugal aparece em 26.º lugar entre 163.

segunda-feira, novembro 06, 2006

Viabilidade ecológica

Link ao relatório Stern, obtido via Causa Nossa.

Onde páram as elites (92)?

(...)
Eu não amo nada em Portugal, a não ser as pessoas. O que me faz ficar é a idade. Se tivesse 50 ia-me embora e começava tudo de novo. Com 64 é difícil. Ou estou velho... ou é a mesma coisa.
(..)

António Barreto, in Jornal de Negócios, 27 de Outubro de 2006.

Onde páram as elites (91)?

(...)
(n)um país como Portugal que se comporta sem algum interesse pelas gerações futuras nem por projectos que incentivem valores morais, solidariedade, educação, respeito pelo ambiente, amizade e camaradagem. Ao inverso, preocupa-se com sensacionalismo, mentira, intriga e consumismo.
(...)

Maria João Pires, Público, 30 de Julho de 2006.

Corrupção (39) (act.)

Maria José Morgado diz que há "porosidade entre crime organizado e poder político", sobretudo através do financiamento ilícito dos partidos

Portugal tem um "grave problema de corrupção ao nível do sistema", que levou à "captura do Estado" por grupos que hoje "partilham a influência de determinados sectores". O deputado do PS João Cravinho não teve medo das palavras que ontem usou no painel sobre corrupção no âmbito do congresso do Partido Nova Democracia (PND), em Lisboa. "Dizer é grave, mas o mais grave é que é absolutamente verdade", garantiu.


(...)

in Público.

Ver também post da Grande Loja.

Onde páram as elites (90)?

PS em números

- aproximadamente 90 mil militantes
- 19% são sindicalizados
- metade tem até seis anos de escolaridade; só 25% têm instrução superior
- 31% são operários ou artífices
- 19% são trabalhadores administrativos
- 16% são trabalhadores intelectuais e científicos
- 15% são trabalhadores dos serviços e comércio
- 12% são empresários, proprietários ou quadros dirigentes
- 4& são agricultores ou assalariados agrícolas
- 4% são técnicos intermédios
- 3.424 são trabalhadores administrativos da função pública
- 3.239 são professores
- 1.489 são bancários
- 1.406 são motoristas de pesados
- 1.270 são trabalhadores dos correios e telecomunicações
- 1.178 são pedreiros
- 1.251 são trabalhadores da construção civil
- 1.136 são advogados e juristas
- 1.013 electricistas
- 886 são médicos ou enfermeiros
- 636 são economistas ou contabilistas
- 820 são operários têxteis
- 750 são carpinteiros
- 607 são mecânicos

in Público, 29 de Outubro de 2006.

Onde páram as elites (89)?

Mais de 350 mil filiados nos partidos:
PSD - 142.673
PS - 90.629
PCP - 75 mil a 80 mil
CDS/PP - 34.744
BE - 6.900

in Expresso, 4 de Novembro de 2006

Onde páram as elites (88)?

Os trabalhadores e as mulheres foram, nos dois últimos séculos, e são ainda hoje os excluídos das elites governativas dos países do sul da Europa.
(...)

Recensão do livro Quem Governa a Europa do Sul?, uma edição do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, no Público, de 22 de Outubro de 2006.

domingo, novembro 05, 2006

Parabéns, João Lopes!

Imagens de outro futebol.

No DN.

sábado, novembro 04, 2006

Droga (44)

Wake up Europe! You are heading for a crisis,’ UN drugs chief warns on cocaine.

Desastres... naturais?! (11)

(...) the top United Nations emergency relief official is calling for “action today to prevent calamity tomorrow” by investing in disaster mitigation.
(...)
While earthquakes, hurricanes, and tsunamis have long posed deadly threats, Mr. Egeland underscored the new aggravating circumstances. Rising sea levels and melting glaciers and polar ice caps from global warning spell potential catastrophe for hundreds of millions of people living in low-lying coastal areas from Bangladesh to New York, China to the Netherlands.
(...)
“The result is a human house of cards with potentially catastrophic consequences, especially for the poorest among us. To ignore these risks is to play poker with our future,” he added. “Global warming underscores the urgency – and the moral imperative – for action. Let’s seize this opportunity. Lives depend on it.”

Droga (43): Afeganistão

3 November 2006 – A United Nations-backed panel on narcotics control today expressed alarm at the rise in illicit opium poppy cultivation in Afghanistan, by far the world’s largest supplier, and called on its neighbours to crack down on the apparent smuggling of a chemical needed for the manufacture of heroin within the country.
(...)
“The Board is extremely concerned that hardly any of the countries bordering Afghanistan have reported seizures of acetic anhydride during 2005 and 2006,” INCB President Philip O. Emafo told the panel’s 87th session. “The Board therefore urges all Governments in the neighbouring countries to ensure that acetic anhydride transiting through their countries illicitly, is intercepted.”
(...)
Last month, UN Office on Drugs and Crime (UNODOC) Executive Director Antonio Maria Costa warned the world’s health authorities to prepare for a significant increase in the number of deaths from heroin overdoses
(...)

quarta-feira, novembro 01, 2006

Leituras desempoeiradas (3)


This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Link to ClockLink.com